Premiação mundial tem três passeios de ecoturismo de MS como finalistas

Três passeios oferecidos por uma empresa familiar de ecoturismo de Mato Grosso do Sul tiveram reconhecimento internacional com indicações ao prêmio de sustentabilidade do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC, na sigla em inglês) deste ano. O certame destaca empresas que lideram negócios sustentáveis no ramo de viagens no mundo todo, proporcionando o desenvolvimento econômico local e da atividade turística. O resultado é atribuído ao investimento constante em inovação e sustentabilidade no Estado, além de boas práticas no atendimento ao turista e no relacionamento com a comunidade.

Foram indicados como finalistas os passeios de flutuação no Rio da Prata, flutuação com mergulho na Lagoa Misteriosa e trilha com cachoeira na Estância Mimosa. Os produtos turísticos estão entre os mais procurados do destino sul-mato-grossense de natureza e aventura formado por Jardim, Bonito e Bodoquena. A região é um dos principais polos brasileiros de ecoturismo, devido à rara beleza natural de rios cristalinos, cachoeiras, grutas, matas, fauna e flora. Juntos, os atrativos recebem cerca de 50 mil visitantes por ano. Já a média diária de visitação varia entre 120 e 150 turistas, conforme a a capacidade de cada atrativo.

Os passeios são resultado de um projeto familiar que colocou em prática a capacidade de empreender e inovar, com o propósito de criar um modelo de ecoturismo organizado com visitação limitada, focado em qualidade e segurança, além de economicamente viável.

“Estamos extremamente honrados com a distinção internacional. Só estamos entre os finalistas devido ao trabalho de longo prazo que desenvolvemos com nossa equipe, parceiros e trade turísticos, buscando sempre qualidade, sustentabilidade e desenvolvimento regional”, diz a diretora de sustentabilidade do Grupo Rio da Prata, Luiza Coelho. A empresa conta com certificação internacional continuada do Sistema de Gestão de Segurança dos atrativos visitados pelos turistas.

Na opinião do proprietário do Grupo Rio da Prata, Eduardo Folley Coelho, o prêmio é decorrente de um conjunto de ações que são desenvolvidas nos passeios, bem como do envolvimento de todos no cuidado com os detalhes.

“É o resultado de um trabalho feito com muito amor. Proporcionar uma experiência de encantamento ao visitante e, ao mesmo tempo, contribuir com a preservação da natureza é o nosso objetivo. Do conjunto de ações, acredito que as mais importantes para o prêmio são: Certificação ABNT NBR ISO 21101 do Sistema de Gestão de Segurança; ter RPPN nas duas fazendas; a forte participação dos dirigentes no desenvolvimento e sustentabilidade do destino e a responsabilidade social”, destaca Folley.

O modelo de negócio desenvolvido, com base na proteção aos recursos do meio ambiente ao mesmo tempo em que estabelece uma parceria bem-sucedida pelo desenvolvimento turístico, recebeu elogios por parte do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

“Os atrativos naturais alavancam o desenvolvimento regional, valorizando produtos locais como artesanato e culinária, e gerando emprego e renda, além de promover a educação ambiental. Este exemplo é a prova de que quando turismo e preservação caminham juntos, os resultados são extremamente positivos para o País”, parabeniza Marcelo.

Experiência única

Os passeios proporcionam ao visitante uma experiência única de interação com a natureza. Os grupos são limitados a nove pessoas mais o condutor. A flutuação no Rio da Prata é uma atividade turística de baixo impacto ambiental e segura, numa suave correnteza que leva o visitante a conhecer o mundo subaquático. O turista é conduzido calmamente sem tocar no fundo do rio habitado por cardumes coloridos, diversas espécies de plantas, além de aves aquáticas, também presentes na Estância Mimosa. A estância é cortada pelo Rio Mimoso, com sete cachoeiras, entre outras opções de banho.

Já a Lagoa Misteriosa oferece passeio de flutuação para iniciantes e mergulho com cilindro para os mais experientes. O lugar tem águas cristalinas e é formado por uma dolina (também conhecida como sumidouro) de 75 metros de profundidade de descida até o espelho d’ água. O local comporta até 10 turistas por mergulho. A oito metros de profundidade formam-se dois poços, com cerca de 10 metros de diâmetro, que descem verticalmente para mais de 220 metros de profundidade. A luz do sol sobre o abismo de águas transparentes atinge 40 metros de profundidade e transforma a Lagoa Misteriosa em um ambiente paradisíaco.

Premiação

Os vencedores do Prêmio Tourism for Tomorrow 2019 (Prêmio Turismo para o Amanhã) serão anunciados durante a cerimônia de premiação da 19ª Cúpula Mundial do WTTC, em Sevilha, Espanha, de 02 a 04 de abril de 2019. O Grupo Rio da Prata concorre ao lado do Masungi Georeserve, nas Filipinas, e do St. Kitts Sustainable Destination Council, na Ilha de São Cristóvão, no Mar do Caribe. Todos foram reconhecidos como organizações que lideram e ajudam no desenvolvimento sustentável do destino, beneficiando seus moradores e visitantes. (*Foto: atrativos localizados na região turística Bonito-Serra da Bodoquena disputam prêmio de sustentabilidade do Conselho Mundial de Viagens e Turismo – Márcio Cabral – Grupo Rio da Prata)