Licitações do Aquário do Pantanal devem ser abertas em setembro, prevê Seinfra

Secretaria promoveu reunião técnica nesta semana

A conclusão da cobertura metálica (no lado direito) e dos pórticos (linhas vermelhas da cúpula principal) serão alguns dos primeiros serviços a ser executados - Edemir Rodrigues

Durante a quarta reunião técnica do Centro de Pesquisas e Reabilitação da Ictiofauna Pantaneira, conhecido popularmente como Aquário do Pantanal, a Seinfra (Secretaria de Estado de Infraestrutura) apresentou a evolução dos trabalhos de levantamento de pré-execução das frentes. A pasta prevê que os processos licitatórios serão iniciados em setembro.

De acordo com um dos coordenadores dos trabalhos da equipe técnica, Gamaliel de Oliveira Jurumenha, a primeira frente a ser executada será de ‘Construção Civil’, com a finalização da cobertura metálica seguida da substituição de 10 placas de vidros da cúpula.

“Já estamos em fase de elaboração do edital para execução destes serviços. A próxima etapa será a conclusão das monocapas dos pórticos vermelhos e dos forros internos do auditório e da biblioteca”, destacou Gamaliel.

O momento de abertura das licitações marcará o início efetivo da retomada das obras e tem sido bastante aguardado pela equipe envolvida no processo e população em geral.

“Estamos todos torcendo, a sociedade espera muito a conclusão desta complexa obra”, afirmou o auditor de Controle Externo do TCE (Tribunal de Contas do Estado), Marco Aurélio Gonzales Chaves, presente no quarto encontro, realizado nesta semana.

A reunião da equipe técnica foi conduzida pelo vice-governador e secretário de Infraestrutura, Murilo Zauith (DEM), e também teve a participação de representantes de diversos órgãos que têm acompanhado o andamento dos trabalhos, como TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), PGJ (Procuradoria Geral de Justiça), TCE e OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil).

Centro de referência em pesquisas

O Aquário do Pantanal está instalado no Parque das Nações Indígenas, principal cartão postal de Campo Grande, e contará com 32 tanques (24 internos e oito externos) da ictiofauna pantaneira (peixes e répteis), mais de 5,4 milhões de litros de água e um sistema de suporte à vida com condições reais do habitat. O objetivo é tornar o espaço um centro de referência em pesquisas e, para isso, o empreendimento também terá um museu interativo, biblioteca, auditório com capacidade para 250 pessoas, sala de exposição e laboratórios de pesquisa para estudantes, cientistas e pesquisadores.