Com segundo menor isolamento do País, Azambuja não descarta bloqueio total em MS

Apesar de considerar a medida drástica, governador diz que falta de consciência da população pode levar ao chamado 'lockdown'

O governador Reinaldo Azambuja - Edemir Rodrigues

Por conta do baixo índice de isolamento social em Mato Grosso do Sul, o segundo menor do País, atrás apenas do Tocantins, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) não descarta medidas extremas, como o bloqueio total de movimentação, o chamado “lockdown”.

Nesta segunda-feira (13) de pós-feriado, mesmo com as medidas adotadas pelo Governo do Estado e prefeituras para reduzir o contágio do novo coronavírus (Covid-19) e evitar um colapso no sistema público de saúde, a taxa de isolamento social em Mato Grosso do Sul foi de apenas 40,7%, a pior de abril.

De acordo com o governador, as autoridades estão em alerta sobre as projeções que tomam como base os dados de monitoramento do distanciamento social. Caso a situação não melhore, pode ocorrer o lockdown. Esse é o nível mais alto de segurança, com distanciamento de todos os cidadãos e bloqueio total de todas as entradas do perímetro do Estado por profissionais de segurança. Ninguém tem permissão de entrar ou sair. Apenas locais extremamente essenciais, a exemplo de farmácias, hospitais e supermercados, ficam abertos

“Se nós não tivermos a consciência das pessoas de ficar em casa, evitar sair de casa, nós vamos chegar a esse momento. É uma medida drástica, é radical, alguns países tomaram. Aqui no Brasil, alguns governos estão olhando essa possibilidade”, explica Azambuja, lembrando que Mato Grosso do Sul já se encontra em situação de transmissão comunitária, quando não é possível identificar o nexo causal.

No entanto, ele ponderou que a adoção de uma medida tão radical depende do nível de consciência da sociedade.

“Podemos ir, sim, para uma medida extrema, para decretar isso. Nós todos temos que ser conscientes”.

No ranking dos municípios com maior movimentação de pessoas e pior índice de isolamento social nesta segunda-feira estiveram Rio Verde de Mato Grosso (30,1%), Bodoquena (32,3%), Taquarussu (32,8%), Coronel Sapucaia (33,5%), Nioaque (34,5%), Tacuru (34,7%), Laguna Carapã (34,8%), Jardim (35,2%), Rio Brilhante (35,4%) e São Gabriel do Oeste (35,8%).

Monitoramento

Utilizado para tomada de decisões, o sistema inteligente de monitoramento por geolocalização tem sido utilizado por Mato Grosso do Sul e outros estados brasileiros, como ferramenta estratégica de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Os dados atualizados diariamente têm como referência cerca de 60 milhões de telefones celulares existentes no País, respeitando a privacidade do usuário. A tecnologia atende a todos os aspectos legais vigentes e se enquadra na Lei Geral de Proteção de Dados que entrará em vigor em agosto de 2020.